Conspurcados – 2012

Peça criada para o Ballet Contemporâneo do Norte

“Conspurcados” é uma peça em torno da aparência e da sua relação com a coletividade. A peça expõe a necessidade dos indivíduos de se redesenharem, de confrontarem a sua aparência com padrões externos. Os corpos encenam rituais de exibicionismo, cultivam a sua resistência através do delírio e da saturação na produção da sua própria imagem, mesmo que o façam apenas para fugir ao vazio e à falta de sentido. A identidade é apresentada enquanto um jogo que se propõe existir à margem de um sistema que reduz a utilização do corpo a um conjunto de comportamentos produtivos. É um jogo onde ninguém sabe exatamente quais são as regras, atravessado pela atracção pelo excesso, pela procura de limites, pelo processo de interrogação daquilo que cada corpo projecta para o exterior. Corpos conspurcados, corpos impuros, corpos abjectos, corpos na iminência de se deixarem consumir pela voracidade das imagens que produzem. A possibilidade da escolha entre aceitar-se, rejeitar-se ou tornar-se indiferente a si próprio constitui o cerne desta espécie de jogo ou confronto entre interior e exterior, onde as possíveis fronteiras diluem-se na entrega do corpo ao acto de jogar e ao acto de interagir com os outros, com o espaço, com as imagens ou memórias. No fundo o importante é tentar sobreviver ao jogo, recuperar o prazer de ser um corpo, todo ele feito de dilemas.

Coreografia: Joclécio Azevedo . Interpretação: (1ª versão) Flávio Rodrigues, Pedro Rosa e Susana Otero. (2ª versão) André Mendes, Bruno Senune, Susana Otero, Flávio Rodrigues. (3ª versão) André Mendes, Camila Neves e Susana Otero. Sonoplastia e espaço cénico: Joclécio Azevedo. Figurinos: Joclécio Azevedo com os intépretes .  Desenho de Luz: João Teixeira .  Produção Executiva: Joana Ferreira . Apoio: Câmara Municipal de Santa Maria da Feira . O BCN é uma estrutura financiada pelo Governo de Portugal, Secretaria de Estado da Cultura, Dgartes